1 de Maio

 

Dia do Trabalhador em todo o mundo

 

No dia 1 de maio festeja-se o Dia do Trabalhador. É um feriado anual e uma data em que se realizam celebrações, com piqueniques e festas, dedicadas a todos os trabalhadores. Neste dia comemora-se o facto dos trabalhadores terem conseguido lutar para ter melhores condições de trabalho.

Em Portugal, só passou a ser um feriado e se começou a comemorar em liberdade, depois da Revolução dos Cravos, no 25 de Abril. Antes desta data, a comemoração era reprimida pelas autoridades.

Image

... as pessoas em Sintra estavam tão desejosas de Liberdade que as comenorações do 1.º de Maio a seguir ao 25 de Abril encheram as ruas de Sintra, da Portela à Vila?.

Image

Após o dia 25 de abril de 1974, Portugal começou a comemorar de forma entusiástica o Dia do Trabalhador.

Image
Vê estas fotografias das comemorações em Sintra do 1.º de Maio de 1974, uma semana depois da Revolução dos Cravos.
Uma semana depois do 25 de Abril, as pessoas puderam, finalmente, comemorar em Liberdade o 1.º de Maio, Dia Mundial do Trabalhador. Vieram em festa para as ruas em em Sintra, da Portela ao Palácio Nacional de Sintra, passando pelo edifício da Câmara Municipal, a população celebrou. As fotografias são do fotógrafo sintrense Carlos Granja.

Vamos descobrir mais em família, lendo em conjunto

Image
Image
Image

No dia 1 de maio comemora-se o Dia do Trabalhador, Dia do Trabalho, Dia Internacional dos Trabalhadores ou Festa do Trabalhador, é uma data comemorativa internacional, dedicada aos trabalhadores e celebrada anualmente em grande parte dos países do mundo, sendo feriado em muitos deles.

Em Portugal, só a partir de maio de 1974, após a Revolução dos Cravos, 25 de Abril, é que se voltou a comemorar livremente o 1.º de Maio.

A partir desta data passou a ser feriado. Durante a ditadura do Estado Novo, a comemoração era reprimida pela polícia. O Dia Mundial dos Trabalhadores é comemorado em todo o país, com manifestações, comícios e festas de carácter reivindicativo, promovidos pelas centrais sindicais. É também costume a população fazer piqueniques, e são organizadas algumas festas alusivas à data.

A homenagem remonta ao dia 1 de maio de 1886, quando uma greve foi iniciada em Chicago, cidade norte-americana, com o objetivo de conquistar condições melhores de trabalho, principalmente a redução da jornada diária, para 8 horas, que chegava a 17 horas.

Nessa manifestação, houve confronto com policiais o que resultou em prisões e, infelizmente, mortes de trabalhadores. Seria esta uma manifestação que serviria de inspiração para muitas outras que se seguiria. Essas lutas de trabalhadores não foram em vão. “Os trabalhadores de todo o mundo conquistaram uma série de direitos e, em alguns países, tais direitos ganharam códigos de trabalho e também estão sancionados por Constituições.

No período entre-guerras, a duração máxima da jornada de trabalho foi fixada em oito horas, na maior parte dos países industrializados.

Nos Estados Unidos da América, durante o congresso de 1884, os sindicatos estabelecem o prazo de dois anos para conseguir impor aos empregadores a limitação da jornada de trabalho para oito horas. Eles iniciaram a campanha em 1 de maio, quando muitas empresas começavam seu ano contábil, os contratos de trabalho terminavam e os trabalhadores buscavam outros empregos.

Estimulada pelos anarquistas, a adesão à greve geral de 1 de maio de 1886 foi ampla, envolvendo cerca de 340.000 trabalhadores em todo o país.

Em Chicago, a greve atingiu várias empresas. No dia 3 de maio, durante uma manifestação, grevistas da fábrica McCormick saem em perseguição aos indivíduos contratados pela empresa para furar a greve. São recebidos por agentesarmados. Infelizmente, o confronto resulta em três trabalhadores mortos. No dia seguinte, realiza-se uma marcha de protesto e, à noite, após a multidão se dispersar na Haymarket Square, restaram cerca de 200 manifestantes e o mesmo número de policiais. Foi quando uma bomba explodiu perto de policias, matando um deles. Sete outros foram mortos no confronto que se seguiu.

Em consequência desses eventos, os sindicalistas anarquistas, Albert ParsonsAdolph FischerGeorge EngelAugust Spies e Louis Lingg, foram condenados à forca, apesar da inexistência de provas. Louis Lingg cometeu suicídio na prisão, ingerindo uma cápsula explosiva. Os outros quatro foram enforcados em 11 de novembro de 1887, dia que ficou conhecido como Black Friday. Três outros foram condenados à prisão perpétua.

Em 1893 eles foram inocentados e reabilitados pelo governador de Illinois, que confirmou ter sido o chefe da polícia quem organizara tudo, inclusive encomendando o atentado para justificar a repressão que viria a seguir.

No 20 de junho de 1889, a segunda Internacional Socialista, reunida em Paris, decidiu convocar anualmente uma manifestação com o objetivo de lutar pela jornada de 8 horas de trabalho. A data escolhida foi o primeiro dia de maio, como homenagem às lutas sindicais de Chicago. Em 1 de maio de 1891, uma manifestação no norte de França foi dispersada pela polícia, resultando na morte de dez manifestantes. Esse novo drama serviu para reforçar o significado da data como um dia de luta dos trabalhadores. Meses depois, a Internacional Socialista de Bruxelas proclamou a data como dia internacional de reivindicação de condições laborais.

Em 23 de abril de 1919, o senado francês ratificou a jornada de 8 horas e proclamou feriado o dia 1º de maio daquele ano. Em 1920, a então União Soviética adotou o 1.º de maio como feriado nacional, sendo seguida por alguns países.

As lutas e manifestações russas inspiraram artistas de todo o mundo que tinham o socialismo como ideologia. Dentre eles destaca-se o artista mexicano Diego Rivera, o qual consegui expressar sua admiração ao passado da luta dos trabalhadores em uma de suas obras que retrata a Manifestação de Primeiro de Maio em Moscoufinalizada em 1956.

Até hoje, o governo dos Estados Unidos nega-se a reconhecer o primeiro dia de maio como o Dia do Trabalhador. Em 1890, a luta dos trabalhadores norte-americanos fez com que o congresso aprovasse a redução da jornada de trabalho, de 16 horas para 8 horas diárias.