Eléctrico de Sintra

 

O elétrico de Sintra é hoje um bonito passeio turístico entre esta localidade e a Praia das Maçãs. Mas, quando foi pensado pela primeira vez, ainda no século XIX e durante muito do tempo em que funcionou, foi muito importante para os habitantes das terras por onde passava porque era um transporte, não só de passageiros, mas também de mercadorias! Hoje existem autocarros e camiões, mas naqueles tempos o elétrico fazia essas funções.

Image

Um desenho para colorir

 
Image
Na secção "Desenhos para colorir" tens um desenho do Elétrico de Sintra para pintar.

... A linha ferroviária liga a serra ao mar através do percurso da vila até à Praia das Maçãs, ao longo de quase 13 quilómetros, entre a Vila Alda na Estefânia e a Praia das Maçãs. Numa viagem com a duração de cerca 45 minutos, os passageiros podem usufruir de um singular passeio turístico entre a Serra de Sintra e o Oceano Atlântico.

Onde fica?
">

Estação em Sintra:

Vila Alda Casa do Eléctrico de Sintra
Rua General Alves Roçadas n.º 2
Estefênia 2710-527 Sintra 


Telefone:
219 238 766

Sitehttps://visitsintra.travel/pt/descobrir/electrico-de-sintra

E-mail:
Email: dtur@cm-sintra.pt  electricodesintra@cm-sintra.pt

Vamos descobrir mais em família, lendo em conjunto

1886-1904

A ideia de ligar Sintra a Colares e posteriormente à Praia das Maçãs surgiu em 1886. Durante vários anos foram feitas sucessivas tentativas para a concretização deste projeto que fracassaram uma a uma.

Só em novembro de 1898 foi dado um passo de gigante, quando a Câmara concedeu a Nunes de Carvalho e Emídio Pinheiro Borges, pelo prazo de 99 anos, a concessão para construir e explorar um caminho de ferro a vapor entre Sintra e a Praia das Maçãs, mais tarde substituída pela tração elétrica.

Em julho de 1900 é constituída a Companhia do Caminho de Ferro de Cintra à Praia das Maçãs que em 1904 passou a denominar-se Companhia Cintra ao Oceano.

Em agosto de 1902, na zona da Estefânia começou a construção desta linha e, em março de 1903 são encomendados à firma americana J. G. Brill Company, 13 elétricos, sendo 7 carros motores e 6 atrelados.

A 31 de março de 1904 é aberto o primeiro troço desta linha, entre Sintra (Vila Velha) e São Sebastião de Colares, numa extensão de 8,900 metros e a 10 de julho seguinte, foi aberto o troço até à Praia das Maçãs, numa extensão de 3,785 metros.

1914-1967

Desde o início, a vida dos elétricos foi sempre atribulada. Em 1914 é constituída a Companhia Sintra-Atlântico que substituiu a anterior empresa que, entretanto, tinha falido.

A 31 de janeiro de 1930 os elétricos chegam à pitoresca vila das Azenhas do Mar. A linha atingia assim a sua máxima extensão: 14,600 metros.

Os elétricos de Sintra tinham entrado no seu melhor período impulsionados pelo dinamismo do seu administrador, Camilo Farinhas que dirige a Sintra-Atlântico até ao ano da sua morte, em 1946.

A decadência surgirá a partir de finais dos anos 40 com o desenvolvimento dos transportes mecânicos.

A partir de 1953 os elétricos passam a funcionar somente durante o verão e em 1955 é encerrado o troço Praia das Maçãs e Azenhas do Mar. Em 1958 o mesmo acontece ao troço entre a Vila Velha e a Estação de Sintra, devido ao alargamento da Volta do Duche e do incremento do tráfego automóvel nesta zona de Sintra.

Funcionando unicamente nas épocas estivais entre Sintra (Estação) e a Praia das Maçãs, os elétricos vão adquirir um estatuto muito especial, tornando-se num autêntico “ex-libris” de Sintra e conhecendo um novo período de ouro. Aos domingos e feriados, era comum ver autênticas avalanches de pessoas à procura de um lugar nos elétricos. Não havia elétricos que chegassem para transportar tanta gente.

1967-2011

Em agosto de 1967, a Sintra-Atlântico é comprada pelo grupo de camionagem Eduardo Jorge. Com esta nova administração o investimento nos elétricos reduz-se ao mínimo da sua sobrevivência esperando pelo fim da sua concessão pois, a exploração há muito tinha deixado de ser rentável. A degradação das infraestruturas e material circulante tornam-se visíveis, fruto do desinvestimento por parte da empresa concessionária.

 

Este panorama nada animador prolonga-se até 1974, ano em que os elétricos funcionam pela última vez até Sintra. Em de julho de 1975 é autorizada a substituição dos elétricos por autocarros.

 

Apesar de todas as adversidades, a vontade de colocar os elétricos novamente nos carris não acabou e a 15 de maio de 1980, foi oficialmente reiniciada a circulação dos elétricos nesta linha mas somente entre o Banzão e a Praia.

 

Entre 1996/97 foi recuperado o troço entre a Ribeira e a Praia das Maçãs e a 30 de outubro de 1997, a Ribeira viu novamente chegarem os elétricos. A 4 de junho de 2004, precisamente no ano do seu centenário, os elétricos chegam de novo a Sintra, mais propriamente até à zona da Estefânia.

 

De novo em funcionamento este “património sobre carris” e muitos anos depois, é com grande alegria que se voltou a ver os carros elétricos a circular cheios de passageiros

 

(Texto em https://visitsintra.travel/pt/descobrir/electrico-de-sintra)